domingo, 23 de maio de 2010

DIVINDADE HUMANA

Antes que o mundo (universo) fosse mundo,

O Pai gera o Filho;
O Filho se entrega ao Pai;
O Pai se alimenta do Amor do Filho;
O Filho Renasce no Pai;
O Pai e o Filho são um!
A Vida está Neles!

O ponto mais chocante do Caminho é a afirmação de que, quando nos ligamos a Cristo, podemos nos tornar "filhos de Deus". Alguém pergunta: "Mas já não somos filhos de Deus? A paternidade de Deus não é uma das idéias principais do Caminho?" Bem, em certo sentido não há dúvida de que já somos filhos de Deus. Ou seja, Deus nos trouxe à existência, nos ama e cuida de nós, como um pai. Mas, quando a Bíblia fala que podemos "nos tornar" filhos de Deus, obviamente quer dar a en¬tender algo diferente. E isso nos leva para o próprio coração da Teologia.

Um dos credos diz que Cristo é o Filho de Deus "gerado, não criado"; e acrescenta: "Gerado pelo Pai antes de todos os mundos." Por favor, ponha na sua cabeça que isto não tem nada que ver com o fato de que, quando Cristo nasceu na terra como homem, foi filho de uma virgem. Não estamos falando aqui do nascimento virginal, mas de algo que aconteceu antes que a natureza fosse criada, antes que o próprio tempo existisse. "Antes de todos os mundos" Cristo é gerado, não criado. O que isso significa?

A diferença é a seguinte: na geração, o que foi gerado é da mesma espécie que o gerador. Um homem gera bebês humanos, um castor gera castorzinhos e um pássaro gera ovos de onde sairão outros passarinhos. Mas, quando fazemos algo, esse algo é de uma espécie diferente. Um pássaro faz um ninho, um castor constrói uma represa, um homem faz um aparelho de rádio - ou talvez algo um pouco mais parecido consigo mesmo que um rádio: uma estátua, por exemplo. Se for um escultor habilidoso, sua estátua se parecerá muito com um homem. Mas é claro que não será um homem de verdade; terá somente a aparência. Não poderá pensar nem respirar. Não tem vida.

O que Deus gera é Deus, assim como o que o homem gera é homem. O que Deus cria não é Deus, assim como o que o homem faz não é homem. É por isso que os homens não são filhos de Deus no mesmo sentido em que Cristo o é. Podem se parecer com Deus em certos aspectos, mas não são coisas da mesma espécie. Os homens são mais semelhantes a estátuas ou quadros de Deus.

Mas quando recebemos a nova natureza, personificada em Cristo e planificada antes da fundação do mundo, sendo esta a própria fundação e trono da criação, nossa mente da um click, e neste momento nascemos do Espírito, tornamo-nos cooparticipante da natureza divina. Quando enxergamos o caminho de Cristo em nosso caminho, fundimo-nos com o divino e podemos dizer EU SOU.

Todo o poder da divindade presente em Jesus está neste ultimo parágrafo, mas não basta ler, temos que viver, experimentar, enfim SER. Não é tarefa fácil... Nossa mente foi condicionada pela religião a enxergar o mundo fora de Deus, colocamos Deus lá longe, num céu, como um velho barbudo sentado num trono, um expectador juiz, um déspota desprovido de vida. Eu convido você a participar de um caminho diferente. De crer num Deus, que como um pai, deseja que seus filhos sejam como Ele, mas respeitando sua identidade própria.

Texto para ler, refletir e ruminar:

João 10:22 – 42 (Atenção especial a partir do versículo 34)
http://www.bibliaonline.com.br/acf/jo/10

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Frases

  • "O Universo é uni apenas para um observador... Você! Cada observador, deforma seu universo apenas por SER."
  • "Deus é a união de todos observadores, pois ELE é o SER. Nele eu e você somos UM".
  • "É nas pequenas coisas que vemos a grandiosidade de Deus."
  • "Se você me matar... Você inevitavelmente, na Eternidade Infinita, você me ressuscitará(por terrível falta de mim, saudades)!"
  • "A distancia de um click do mouse... ou do seu cérebro!"
  • "O NADA é TER TUDO e SER FELIZ com o POUCO ENORME QUE TENS!"
  • "Sou, logo existo."
  • "Não é o AMOR que doí, mas a PAIXÃO que arde"
  • "O que doí não é o movimento, mas a quebra da inercia."
  • "Deus criou o homem, para esquecer como é complicado ser Deus e sonhar SER homem."
  • "EL=DEUS IN=DENTRO == ELOIN"
  • "AMO, logo SOU"
  • "Ainda bem... Que não quero estar feliz o tempo todo!"
...Uma tristezinha faz parte! Por isso prefiro ser burro, ignorante e inculto... SOU MAIS FELIZ ASSIM!"
  • "Só sei que nada sei... Sócrates... Um bom pensamento pra dormir!"
  • "Deus não é matéria. Deus é Espírito. Deus é a ação que faz a matéria ser matéria."
  • "Ocupar lugar no espaço é distorcer o espaço. Quando mais você ocupa, mas você o dobra."
  • "Quanto mais se aproxima da velocidade da luz, mais massa temos e mais distorcemos o espaço."
  • "A luz é energia. É matéria acelerada a velocidade da luz. Então porque ela não ocupa lugar no espaço? Simples ela é o espaço."
  • "Deus é luz, e Nele não há treva alguma."
  • "Diante de Deus, até Deus se dobra"
  • "Deus a tudo preenche, logo é onipresente".
  • "Deus é o caminho, a verdade e a vida; O espaço, a luz e a matéria."

quinta-feira, 13 de maio de 2010

GÊNIOS INSENSATOS E BURROS SÁBIOS

Nós somos o que cremos. E o normal é que se fale, se pense e se viva conforme se creia.

Eu cri, por isso é que falei. Também nós cremos, por isto é que falamos”.

Tem gente que pensa que a qualidade do pensar é determinada pela inteligência. Mas não é assim. Inteligência apenas determina sistemas lógicos, mas não a qualidade do pensar.

A qualidade do pensar é determinada pela fé mediante a qual a pessoa enxerga a existência.

Assim, pode-se ser um gênio e capaz de inventar coisas extraordinárias. Entretanto, ainda assim, ter uma qualidade de pensar insensata.

O que qualifica o pensar não é a inteligência, mas sim a sabedoria!

Ora, sabedoria nada tem a ver com inteligência, mas com gratidão amorosa e reverente para com Deus: o sentido da vida!

A qualidade do pensamento é diretamente vinculada à sua capacidade de ver a realidade e a ela atribuir significados e valores certos.

Alias, quando Jesus disse que “os filhos das trevas são mais hábeis em sua própria geração do que os filhos da luz”, Ele determinava que inteligência, rapidez de raciocínio e genialidade não necessariamente têm a ver com lucidez — luz.

A questão não é ver. A questão é o que fazer ante o que se vê.

O sábio vê o mal e dele se esconde.

O insensato vê o mal e o interpreta como uma oportunidade.

Ambos viram e vêem o mal. Porém, sob a camada do ver, em cada um dos dois — sábio e insensato — existe um olhar que nada tem a ver com o fato da pessoa ser um gênio ou um burro.

Há muitos gênios insensatos e há muitos burros sensatos!

Dois homens vêem uma maravilha da criação. Um deles não se ama, não se vê como tendo significado em relação aos demais seres humanos, e também sem nenhuma vontade de a eles servir pelo amor, mas, talvez, apenas pela chance de ter poder — e olhará para a maravilha que diante dele está, e poderá pensar: “Veio do nada, do acaso, dos dês-sentido”. Afinal, quem verá sentido em qualquer coisa se não o vir antes em si mesmo e em sua própria existência?

Já o outro homem a tudo vê com amor grato e reverente, enxergando sentido até na morte, até na dor, até no até...; e, por isso, diz: “Que maravilha! Eu e ela somos filhos do mesmo amor!”

Ora, tal homem não viverá no mesmo mundo do outro observador da maravilha, mesmo que estejam perfilados vendo a mesma coisa estupenda!

Quando o salmo diz “na Tua luz vemos a luz”, afirma que existe o que vemos, mas que isto é determinado pelo como e mediante o que vemos tudo, até a própria luz.

Quando se diz que Jesus seria objeto de contradição, se afirma também a mesma coisa, pois, o mesmo Jesus, visto em amor, é o Salvador; porém, visto sem amor, é apenas uma miragem buscando ser real, mas sendo vencida pelas forças do mundo real.

Ora, se meu pensar é determinado pelo meu crer essencial, o qual se vincula ao meu ver-sentir com ou sem amor e gratidão a existência [a partir da minha própria] — então, é sensato afirmar que a qualidade do crer que designará a qualidade do pensar, é equivalente ao vinculo que o crer tenha ao amar; pois, sem amor, não existe sensatez em nenhum olhar para si mesmo e para a existência.

A tentação do gênio, do filosofo, do cientista ou do vaidoso intelectual, é sucumbir à falácia de pensar que se pensa com o pensamento, esquecidos de que se pensa essencialmente com o coração, até quando alguém nega ter um.

Não existe razão pura entre os homens, mas apenas certa pureza de amor que qualifica certa pureza de pensar.

E tanto mais quanto o ver-pensar essencial seja definido pela fé que atua pelo amor, tanto mais limpo em sensatez será o olhar humano — seja o do gênio ou até mesmo o do burro.

Pense nisso!

Caio
=====================
Para ler mais textos e reflexões como esta visite:

http://www.caiofabio.net/